Cazuza

“Vida louca vida
Vida breve
Já que eu não posso te levar
Quero que você me leve
Vida louca vida
Vida imensa”

Cazuza deixou sua imensa e breve vida aos 32 anos, mas seu legado musical permanece. Imagem: site Pausa Dramática


Vida imensa, louca e breve… como ele não pôde levá-la, ela o levou com apenas 32 anos, vítima de AIDS. Ele, Agenor de Miranda Araújo Neto, conhecido como Cazuza – poeta, cantor, compositor carioquíssimo. Seu pai, João Araújo, foi fundador e presidente, por quase quatro décadas, da importante gravadora Som Livre. Sua casa era frequentada pelos maiores nomes da música brasileira, respirava-se música por todos os cantos. Nascido e criado no seio da burguesia, Cazuza referia-se à sua classe com palavras cortantes:

A burguesia fede
A burguesia quer ficar rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia”


Era um rebelde com causa, boêmio, frequentador do Baixo Leblon, desafiava os padrões, ousava, inventava amores e dores. Não cursou mais do que um mês da faculdade de comunicação. Encontrou seu caminho no curso de teatro que fez com Perfeito Fortuna e a trupe “Asdrúbal Trouxe o Trombone” no Circo Voador (ainda no Arpoador), onde soltou a voz em público pela primeira vez e não parou mais.

Cazuza com Perfeito Fortuna. Imagem: Facebook – Codinome Cazuzeiros

Em 1982, Leo Jaime indicou-o para participar dos ensaios da futura banda de sucesso Barão Vermelho com Roberto Frejat, Maurício Barros, Dé e Guto. No verão de 1985, após a apresentação histórica da banda no Rock in Rio, Cazuza resolveu se desligar e seguir carreira solo.  Gravou seu primeiro álbum solo “Exagerado”, que fez grande sucesso. Nesse mesmo ano descobriu ser portador do vírus HIV.

Quebrando diversos tabus, Cazuza foi a primeira personalidade nacional a admitir publicamente a AIDS e se tornou um símbolo da luta contra a doença.

A turnê dirigida por Ney Matogrosso resultou no álbum “O Tempo Não Para” gravado ao vivo no Canecão, seu maior sucesso, que superou a marca de 500 mil cópias vendidas.

Em 1990, Cazuza viu “a cara da morte, ela estava viva”. Faleceu em julho e deixou seu nome profundamente marcado na geração de jovens dos anos 1980 e 1990.

Depois de sua morte, sua mãe Lucinha Araújo criou a Sociedade Viva Cazuza, que atende a crianças e adolescentes portadoras do HIV. Em 2016 ganhou uma homenagem no bairro do Leblon, onde morou a grande parte da sua vida, com uma estátua e praça com seu nome.

Cazuza e sua mãe, Lucinha, na década de 1980. Foto: Sociedade Viva Cazuza