Rio na independência

A independência do Brasil não cabe no 7 de setembro de 1822. Muito menos na cena imaginada por Pedro Américo mais de seis décadas depois, no conhecido painel Independência ou Morte, encomendado para figurar com destaque no Monumento do Ipiranga. Por mais que se tente, nenhuma data é capaz de encerrar todo o processo da qual ela mesma faz parte. Ainda mais quando se trata da emancipação de um país. Essa é a história que a galeria O Rio, as ruas e a Independênciapretende contar, tendo como pano de fundo a paisagem política de uma cidade que, desde a chegada da família real em 1808, foi sendo, ao longo dos anos, fabricada como a capital imperial.