Batalha de Uruçumirim

Em meados do século XVI, a Baía de Guanabara era território disputado por indígenas temiminós e tupinambás. Ali chegava, em 1555, uma expedição francesa com o intuito colonizador. O empreendimento normando previa a instauração da França Antártica. Em face das tentativas de ocupação orquestradas pelos portugueses, a expedição liderada por Nicolas Durand de Villegagnon, se baseava em relações mais harmônicas com os indígenas. 

Frente à colonização francesa, alguns pontos estratégicos da Baía eram subsequentemente conquistados e ocupados pelos portugueses ao longo daqueles anos. Em 1566, uma decisão da coroa portuguesa culminaria nas ações que determinaram a conquista definitiva das terras do Rio de Janeiro. Nesse ano, Mem de Sá, governador do Brasil, saía de Salvador e se unia a seu sobrinho Estácio de Sá, que há dois já disputava o domínio das terras do rio Karioka. Em 20 de janeiro de 1567, no dia de São Sebastião, ocorreu o combate ao aldeamento de Uruçumirim, uma consolidada taba onde hoje se encontra o Morro da Glória, ocupada por centenas de tupinambás e alguns aliados franceses, sobreviventes da batalha de 1560. Mem de Sá relatou, em documento publicado posteriormente, que, mesmo com a morte massiva de indígenas e franceses, entre os “cristãos” foram também contados muitos óbitos.  

Batalha Das Canoas – Uruçu-Mirim – Praia do Flamengo – 20/1/1567 – Estácio De Sá Expulsa da Baía Guanabara os Calvinistas Franceses – São Sebastião Aparece Lutando ao seu Lado. Vitral do Santuário Basílica de São Sebastião Frades Capuchinhos, Tijuca. César Formenti, 1931.

Depois da batalha de Uruçumirim, muitos guerreiros indígenas foram presos e outros tantos fugiram para a região de Cabo Frio. O evento acabou se tornando uma referência da ocupação portuguesa no Rio de Janeiro, sobretudo pela memória de Estácio de Sá, morto semanas após o evento, por ter sido atingido por uma flecha envenenada na batalha. 

A morte de Estácio de Sá. Óleo sobre tela. Antônio Parreiras, 1911. Acervo Palácio da Guanabara. Wikimedia Commons.

Este texto foi elaborado pela pesquisadora Helena Gomes do Projeto República (UFMG).

Skip to content