Revolta do Vintém

“Eu necessariamente hei de ter andado à baila”, disse D. Pedro II sobre a imagem de seu governo após a turbulenta semana de protestos que varreu as ruas do Rio de Janeiro na virada de 1879 para 1880. O estopim da Revolta do Vintém foi a aprovação de um projeto de lei que aumentava em vinte réis – valor equivalente a um vintém – a passagem dos bondes na capital do Império.

Os protestos começaram em 28 de dezembro de 1879, quando uma multidão se reuniu no Campo de São Cristóvão para ouvir o republicano Lopes Trovão disparar broncas contra a nova medida econômica. De lá saiu uma passeata rumo ao Palácio da Boa Vista, com o propósito de levar ao imperador uma petição para a revogação da lei.

Na sua primeira edição em 1880, a Revista Illustrada de Angelo Agostini publicou uma narrativa em imagens dos acontecimentos em torno da Revolta do Vintém – Discurso de Lopes Trovão. Ligeiros croquis sobre os acontecimentos nos primeiros dias do anno 1880 na Côrte. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 1880, Ano 5, n. 189.  Hemeroteca da Biblioteca Nacional.

Mas o pelotão da cavalaria impediu o acesso ao “portão da coroa”. D. Pedro II tentou, em vão, voltar atrás e mandou dizer que estaria disposto a receber uma delegação dos manifestantes. Dessa vez foi Lopes Trovão quem não aceitou a oferta. A crise estava lançada.

Em 1º de janeiro de 1880, data marcada para o início de cobrança da nova tarifa, cerca de quatro mil pessoas se recusaram a usar o transporte público e se concentraram no Largo do Paço para uma nova passeata. Os manifestantes entraram na Rua Direita, atual Primeiro de Março, seguiram até a rua do Ouvidor e pegaram a reta que dá no Largo de São Francisco.

Ligeiros croquis sobre os acontecimentos nos primeiros dias do anno 1880 na Côrte. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 1880, Ano 5, n. 189.  Hemeroteca da Biblioteca Nacional.

No caminho, derrubaram bondes, espancaram condutores, esfaquearam animais usados como força de tração, retiraram trilhos e ergueram barricadas. O Exército foi enviado para controlar a situação. Em meio ao confronto, o comandante, barão do Rio Apa, levou uma pedrada e a reação veio à bala. Ao final do dia, o saldo foi de três mortos e quinze feridos.

Ligeiros croquis sobre os acontecimentos nos primeiros dias do ano 1880 na Corte. Revista Illustrada, Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 1880, Ano 5, n. 189. Hemeroteca da Biblioteca Nacional.

Os confrontos se estenderam até o dia 4 de janeiro, quando a chamada Lei do Vintém foi revogada. Mas não estancou o desgaste na imagem de Sua Majestade: nascido e criado com aclamações por onde passava, D. Pedro II teve de aprender a conviver com a hostilidade de uma população revoltada bem debaixo de suas barbas.

Este texto foi elaborado pelo pesquisador Danilo Araujo Marques do Projeto República (UFMG).