Motins de suicídio de Getúlio Vargas

24 de Agosto – João Nogueira, 1989

O Brasil amanheceu no dia 24 de agosto de 1954 com a notícia do suicídio do presidente Getúlio Vargas, no programa de rádio “Repórter Esso”. O governo de Vargas enfrentava problemas políticos com a organização da oposição e a falta de apoio de grupos que outrora estavam do seu lado, como as Forças Armadas e a imprensa. Ao se ver sem opções, e se negando a renunciar, ele atirou contra o próprio peito.

Primeira página do jornal varguista Última Hora noticiando a morte de Getúlio Vargas. Rio de Janeiro – 1954 – Hemeroteca da Biblioteca Nacional/Acervo Última Hora.

No Rio de Janeiro, capital da República, o luto cedeu lugar à revolta. A multidão saiu da Galeria Cruzeiro, do Largo da Carioca e do Tabuleiro da Baiana – famosos locais de manifestação política – e seguiu até a Cinelândia. Grupos mais exaltados atacaram as sedes e os carros de reportagem de periódicos de oposição a Vargas, como “O Globo” e “Tribuna da Imprensa”, de Carlos Lacerda. Alinhado à União Democrática Nacional (UDN), ele se refugiou na Embaixada dos Estados Unidos, o que levou os revoltosos a apedrejarem o local.

Em protesto, manifestantes quebraram veículos do jornal de oposição O Globo. Fotógrafo desconhecido. Rio de Janeiro – 1954 – Agência O Globo

O corpo de Vargas foi velado no salão do Gabinete Militar até o dia seguinte, quando foi conduzido ao Aeroporto Santos Dumont, de onde seguiu para o sepultamento em São Borja (RS), sua cidade natal. Quando o avião decolou, a multidão que se arrastava em cortejo desde a orla da praia do Flamengo percebeu estar em frente ao quartel-general da Aeronáutica – a primeira e mais incisiva das Forças Armadas a exigir a deposição de Vargas.

Multidão se aglomera em frente ao aeroporto Santos Dumont para acompanhar o embarque do corpo de Getúlio Vargas para São Borja, fotografia de autor desconhecido – 1954 – Agência Nacional/ Arquivo Nacional

Os manifestantes atacaram o prédio com pedras e paus, e logo os militares responderam com um forte tiroteio, resultando na fuga e pisoteio de muita gente. Os conflitos continuaram a sacudir o Rio de Janeiro pelos próximos dias. O suicídio de Getúlio Vargas, aliado à reação popular nas ruas, acabou por frear um iminente golpe de Estado.


Motins do suicídio de Vargas – 1954.  Fundo Correio da Manhã/ Arquivo Nacional

Este texto foi elaborado pela pesquisadora Júlia Kern Castro do Projeto República (UFMG).