Revolta dos 18 do Forte

Os 18 de Copacabana – Gastão Formenti, 1930

Em 5 de julho de 1922, tenentes do Exército Brasileiro no Rio de Janeiro se sublevaram em oposição ao governo recém empossado de Arthur Bernardes e ao processo eleitoral. Os militares já estavam insatisfeitos com a República, controlada pelas oligarquias agrárias de Minas Gerais e São Paulo. Tendo como palco principal o Forte de Copacabana, o levante que terminou com a adesão de apenas 18 militares entrou para a história como a Revolta dos 18 do Forte.

Revolta dos 18 do Forte de Copacabana: tenentes vão de encontro às forças legalistas, na Avenida Atlântica, Rio de Janeiro – 1922 – Autor desconhecido. Wikimedia Commons.

Arthur Bernardes disputou com Nilo Peçanha a sucessão presidencial de Epitácio Pessoa, aumentando as contradições entre o Exército e as oligarquias dominantes. A situação foi agravada quando a imprensa divulgou cartas supostamente escritas pelo candidato Bernardes, com acusações ao Exército e ofensas ao marechal Hermes da Fonseca, presidente do Clube Militar. Uma desavença com Epitácio, sobre a sucessão estadual de Pernambuco, resultou na prisão do marechal e no fechamento do Clube Militar, em 2 de julho de 1922. 

Dias depois, iniciou-se o levante. Diferentemente dos planos iniciais, que previam a adesão de outros estados e setores, somente o Forte de Copacabana e a Escola Militar de Realengo o concretizaram. Os rebeldes bombardearam vários polos militares, como o Quartel General e o Arsenal de Marinha. Após breves combates, as forças do governo dominaram a sublevação, restando apenas o Forte de Copacabana.

O tenente Odilio Denys e outros revoltosos de 1922 na casa de correção “Colonia Fluminense”. Arquivo Odilio Denys/CPDoc/FGV

Os líderes da revolta liberaram a saída dos combatentes que o desejassem, escolha feita pela maioria dos 301 envolvidos. Munidos de fuzis e revólveres, 28 oficiais decidiram prosseguir, e saíram em marcha pela Avenida Atlântica para confrontar a tropa legalista. No trajeto, receberam a adesão de um civil, Otávio Correia, e a desistência de dez dos militares. Os últimos 18 revoltosos marcharam em meio ao tiroteio. Apenas dois deles sobreviveram: os tenentes Siqueira Campos e Eduardo Gomes, importantes personagens nas décadas seguintes.

Eduardo Gomes e Henrique Cordeiro Autran por ocasião de missa realizada na Igrejada Candelária em comemoração ao cinquentenário da Revolta de 1922 – 1972. Arquivo Clube /CPDoc/FGV

Este texto foi elaborado pela pesquisadora Júlia Kern Castro do Projeto República (UFMG).