Palácio Tiradentes

No lugar do atual Palácio Tiradentes, projetado em estilo eclético por Archimedes Memória e Francisque Couchet, antes havia um prédio erguido por volta de 1640 que abrigava a Casa de Câmara de Vereadores e Cadeia, mais conhecido como Cadeia Velha por conta da cadeia pública que funcionava no andar inferior.

Antiga Cadeia Velha, onde funcionou a Câmara dos Deputados até a construção do Palácio Tiradentes. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – IHGB- Volume 272 – Julho-Setembro – 1966. Foto retirada de Reficio

Além da Câmara de vereadores e cadeia pública, o local serviu de moradia para os empregados da corte de D. João VI quando ele chegou ao Brasil, em 1808; abrigou a Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1823, a 1ª do Brasil que acabara de conquistar a independência, mas não chegou a entrar em vigor em razão da decisão autoritária de Dom Pedro I que determinou que o Exército fizesse um cerco para de dissolvê-la; e foi sede da Câmara dos Deputados entre 1826 e 1914.

Sua derrubada, em 1922, abriu o espaço para a construção do Palácio Tiradentes, em homenagem ao alferes que sonhou com a independência e esteve encarcerado na Cadeia Velha, de onde saiu para ser enforcado e esquartejado.

Palácio Tiradentes em construção. Imagem: Diário do Rio

O novo Palácio do Legislativo foi inaugurado em 6 de maio de 1926, exatamente cem anos depois da primeira sessão legislativa do país, com o intuito de promover um eixo simbólico de continuidade na vida parlamentar nacional. “Nele funcionou a Assembleia Nacional Constituinte de 33, que elaborou a Constituição de 34 rasgada pelo golpe de 37, para a implantação do Estado Novo de Getúlio Vargas. Casa da lei, da liberdade, do voto, purgou a humilhação de sediar o Departamento de Imprensa e Propaganda, o DIP, oficialmente incumbido da censura à imprensa. O vexame prolongou-se de 39 a 45, quando o Estado Novo desabou” e a Câmara Federal voltou a funcionar no local.

A última sessão da Câmara no palácio aconteceu em 14 de abril de 1960, uma semana antes da inauguração de Brasília. Com mudança da capital, criou-se o Estado da Guanabara e, no Palácio Tiradentes, instalou-se Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara (ALEG) que, com a fusão em 1975, passou a Assembleia do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ).

Palácio Tiradentes atualmente. Imagem: Thiago Lontra – ALERJ

Referências

CORRÊA, Villas-Boas. Palácio Tiradentes – fiel à democracia. Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). 1a Ed. 2002, p. 40.