Assassinato de Edson Luís

O novo Restaurante Central dos Estudantes, inaugurado em 1967 nas proximidades do Aeroporto Santos Dumont, era um enorme galpão com capacidade para dez mil pessoas. Mais conhecido como Calabouço, atendia alunos carentes, em especial secundaristas e vestibulandos, e era mantido com verba do Governo Federal. Embora barata, a comida era ruim e o local insalubre.

O restaurante conhecido como Calabouço reunia milhares de estudantes por dia e se tornou local de diversas manifestações – 30/03/1968 – Milton. Fundo Correio da Manhã/Arquivo Nacional.

Com frequência, os estudantes organizavam passeatas para protestar contra as más condições, como aconteceria no dia 28 de março de 1968. Desta vez, contudo, foram surpreendidos pelas viaturas policiais que cercaram o local. Os manifestantes reagiram atirando pedras; a polícia, rajadas de metralhadora. No embate, seis pessoas foram feridas. Uma delas, fatalmente, no peito: o estudante Edson Luís de Lima Souto, de 18 anos.

Menino – Milton Nascimento, 1976

O jovem foi carregado por seus colegas do Calabouço até a Assembleia Legislativa, onde uma plenária com 55 deputados foi interrompida. O corpo de Edson Luís foi estendido no saguão do prédio, tornando público e inquestionável o assassinato cometido pela polícia. O movimento estudantil decretou greve geral, os teatros suspenderam seus espetáculos e, durante a noite, centenas de pessoas compareceram ao velório.

Populares guardavam respeitoso silêncio ou simplesmente aderiam ao chamado dos estudantes à participação no enterro de Edson Luís – 29/03/1968. Fundo Correio da Manhã/Arquivo Nacional.

Na manhã seguinte, os jornais cariocas estampavam em suas manchetes “Assassinato”. Questionava-se a morte de um estudante ‘inocente’, que não era militante nem ‘subversivo’. Às 16h, mais de 50 mil pessoas participaram do cortejo que levou o corpo de Edson Luís ao Cemitério São João Batista, em Botafogo. O caixão, coberto com a bandeira do Brasil, foi carregado por estudantes, deputados e artistas, que entoavam o Hino Nacional. Rosas foram jogadas do alto dos edifícios. Na multidão, cartazes com os dizeres “Os velhos no poder, os jovens no caixão”, “Bala mata fome?” e, talvez, o mais emblemático: “Mataram um estudante. Podia ser seu filho”.

O assassinato de Edson Luís mobilizou amplos setores sociais contra as violências cometidas pela ditadura militar. Fundo Correio da Manhã/Arquivo Nacional.

Este texto foi elaborado pela pesquisadora Pauliane de Carvalho Braga do Projeto República (UFMG).