A Avenida Presidente Vargas

O Rio de Janeiro das décadas de 1930 e 1940 estava em constante ebulição. Na política, a Revolução de 1930 apontava para a modernização através de projetos de industrialização, rompendo os controles das oligarquias cafeeiras. No campo da cultura, a ebulição vinha por conta do movimento modernista que passava a questionar o academicismo e projetar um Brasil fruto da antropofagia com a renovação das artes, das atitudes e dos hábitos. 

No processo de implantação do Plano da Cidade, que tinha  como principal atribuição avaliar o antigo Plano Agache e, a partir dele elaborar novos projetos para o Rio, o prefeito Henrique Dodsworth projetou uma grande avenida que tinha como função ligar as pontas do Rio de Janeiro em direção à área norte. A abertura dessa avenida era o modo de integrar à vida urbana regiões mais afastadas, onde se concentravam os setores populares.

Imagem de Henrique Dodsworth, interventor do Distrito Federal do Rio de Janeiro (1937-45) nomeado por Getúlio Vargas – Autor desconhecido, 1937 – Prefeitura do Rio de Janeiro / AGCRJ.

Através da política distinta para a Zona Sul e para o restante da cidade, o populismo de Vargas ganhava terreno. As experiências autoritárias dos anos do entre-guerras estavam na premissa da nova avenida – Mussolini, em 1932, projetou a grande Via del Imperio, em Roma, e Hitler, em Berlim, depois de ascender ao poder, pensou numa avenida Norte-Sul. Na América Latina, a avenida 9 de Julho em Buenos Aires também serviu de inspiração. As demolições necessárias ao projeto envolveram igrejas e prédios públicos, como o Paço da Prefeitura e a Igreja de São Pedro dos Clérigos. Ruas e praças igualmente sucumbiram à avenida. Pelo menos dois redutos importantes de socialização e mobilização política foram desarticulados de uma só vez: o Largo de São Domingos e a mítica praça Onze. Era na pequena praça de S. Domingos que associações de trabalhadores (de caráter sindical) se reuniam em comícios, assembleias e passeatas. As comemorações do 1º de maio eram realizadas ali desde o início do século XX.

Vista do Largo de São Domingos, Centro. Augusto Malta, 1910 circa. Rio de Janeiro, RJ – Instituto Moreira Salles.

A ideia da grande avenida, entretanto, não era totalmente nova. A ligação do Cais dos Mineiros com a Ponte dos Marinheiros já estava na cabeça de Grandjean de Montigny e, na década de 1920, o prefeito Carlos Sampaio pensou em criar a Avenida da Independência, que iria da Rio Branco até a Praça da República.  A grande avenida também fazia parte das propostas do Plano Agache. Com Henrique Dodsworth, nomeado por Vargas interventor do Distrito Federal durante o Estado Novo (1937-1945), ela saiu do papel e alterou significativamente a geografia do Rio de Janeiro.

Imagem da Avenida Presidente Vargas durante as obras. Autor desconhecido, década de 1940. Disponível em: http://heloisahmeirelles.blogspot.com/2012/05/avenida-presidente-vargas.html

A Presidente Vargas  começou a ser aberta em 1941, sob a coordenação do secretário de Viação da prefeitura, o engenheiro Edison Passos. Seu projeto havia criado um grande frisson na Feira de Amostras de 1938. Ao ver a maquete, Vargas teria dito: “Vamos fazê-la”. O apoio do presidente foi fundamental para a obra que levou ao pé da letra a verticalização proposta por Agache. Terminada, ela era o símbolo do poder autoritário de Vargas e do descaso com as tradições populares, culturais e históricas dos lugares arrasados por conta de sua construção.

Operários trabalham na abertura da Avenida Presidente Vargas. Sobrados ao fundo da imagem. Autor desconhecido, 1942. Rio de Janeiro, RJ –  Fonte: AGCRJ. Disponível em: http://wpro.rio.rj.gov.br/revistaagcrj/wp-content/uploads/2016/11/e10_a07.pdf.