Vela

A vela é um dos marcos do esforço de modernização empreendido pela elite carioca na passagem do século XIX para o XX. Assim como o remo, o esporte aproveitou as condições naturais da cidade para se desenvolver e já nasceu ligando as duas bandas da Baía de Guanabara. Os primeiros registros da vela como modalidade esportiva datam de fins do século XIX. Em edição de 1º de julho de 1889, o “The Rio News” – periódico destinado a ingleses residentes no Rio de Janeiro e em Niterói – louvava o esporte como sendo “infinitamente” mais saudável do que as corridas de cavalos. 

Regatas Lagoa e Baía de Guanabara. Vídeo retirado do Site da FEVERJ 

Em 1895, foi realizada a primeira regata específica de vela, na Ilha de Paquetá. Um dos principais organizadores foi o entusiasta do esporte H. Wagner, proprietário de barcos a vela. Algumas outras regatas esporádicas aconteceram no período, geralmente associadas a eventos de remo. Foi apenas no século XX, mais precisamente em 1906, que um clube próprio para a vela foi criado, o Iate Clube Brasileiro, cuja sede náutica ficava na Praia da Saudade, em Botafogo. Pouco depois, foi inaugurada uma sede em Niterói, que existe ainda hoje. Sua abertura ajudou a impulsionar a modalidade, intensificando as excursões náuticas entre as ilhas da Baía de Guanabara.  

A primeira regata do clube foi realizada em 1907, com o auxílio da Marinha. Cinco páreos saíram da Glória em direção à Ilha de Mocanguê, para dali seguir para o Morro do Morcego, em Jurujuba, e terminar na Fortaleza de Laje. A competição foi considerada um sinal de avanço do país em direção à civilização.  

Outros clubes dedicados à prática foram criados a partir daí. Diferentemente do Iate Clube Brasileiro – voltado às elites cariocas e aos ingleses no Rio e em Niterói –, clubes como o Centro de Veleiros (1907) e o Iate Clube Germânia (1910) tinham seu corpo social formado por membros da classe média. Na década de 1920, mais clubes se formaram nas duas cidades – uns dedicados exclusivamente à vela, outros incluindo diferentes modalidades (como a aviação esportiva, no Fluminense Iate Clube). Em 1935, foi realizada a primeira regata nacional, o Troféu Marcílio Dias.  

Presente em Olimpíadas desde os Jogos de Paris, em 1900, a vela é o segundo esporte que mais conquistou medalhas em Jogos Olímpicos para o Brasil: 18 ao todo, ficando atrás apenas do judô, com 22. No que diz respeito ao lugar mais alto do pódio, a vela é o primeiro, com sete ouros conquistados até 2016. 

Vela brasileira nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Foto de Danilo Borges/Ministério do Esporte.

A primeira medalha olímpica do esporte veio em 1968, um bronze na Cidade do México. Já os primeiros ouros foram conquistados nos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980, por duas duplas de velejadores. Uma delas era formada pelos cariocas Marcos Soares e Eduardo Penido, campeões na classe 470.  

As mulheres conquistaram sua primeira medalha da modalidade em 2008, em Pequim, com a dupla formada pela carioca Isabel Swan e Fernanda Oliveira. O primeiro ouro feminino veio nos Jogos Olímpicos Rio 2016, com Martine Grael e Kahena Kunze. Nascida em Niterói, Martine é filha de um dos maiores medalhistas olímpicos do país, o iatista Torben Grael.  

Equipe brasileira campeã da Vela feminina Rio 2016. Ministério do Esporte

Skip to content