Stuart Angel

Remador, esportista, frequentador das praias cariocas, estudante universitário e militante político associado ao Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). Stuart Angel tinha apenas 25 anos quando foi barbaramente torturado e assassinado por agentes da ditadura militar, na base aérea do Galeão, em 1971, em uma história que nunca foi de todo desvendada.

Apenas em 2014, durante as investigações da Comissão da Verdade, sua família pôde ter acesso a uma versão mais sólida de sua morte e do provável destino de seus restos mortais. Seu assassinato pelo regime, afinal, cumpriu roteiro semelhante ao de tantos outros jovens brasileiros durante os Anos de Chumbo: foi tratado, durante muito tempo, como mero “desaparecimento”.

O que fez Stuart tornar-se um símbolo do horror que ocorria nos porões da ditadura foi a luta de sua mãe, a estilista Zuzu Angel, que se valeu de seu prestígio internacional para denunciar as atrocidades dos militares e reivindicar notícias do paradeiro do filho. Mas essa luta lhe custou a vida. Zuzu morreu numa tragédia de carro que foi atribuída a um “acidente”.

Na verdade, porém, a estilista foi também assassinada por agentes da repressão, como atestou nos anos 1990 uma comissão especial de investigação. Hoje, o local onde ocorreu sua morte, o antigo túnel Dois Irmãos, em São Conrado, leva o seu nome. O filme Zuzu Angel (2006), dirigido por Sérgio Rezende, narra parte da história de Zuzu e de Stuart.

Skip to content