Futevôlei

O futevôlei faz parte da tríade de esportes legitimamente cariocas. Assim como a altinha e o frescobol, a atividade nasceu nas areias do Rio de Janeiro, mais precisamente na Praia de Copacabana. O esporte foi criado a partir das regras do vôlei, com seis jogadores de cada lado, dois toques obrigatórios antes de passar a bola e a mesma contagem de pontos. Só não pode usar as mãos, pois no futevôlei são os pés que reinam absolutos! 

Em meados dos anos 1960, um grupo de jovens costumava praticar a linha de passe na faixa de areia em frente à Rua Bolívar. Para jogar, era só deixar as sandálias de lado e entrar na rodinha. Mas a face democrática do jogo contrastava com o clima repressivo e autoritário que o país vivia durante a ditadura. Militares espreitavam as praias e regras rígidas para a prática de esportes foram impostas.  

No verão de 1965, foi proibida a linha de passe à beira-mar. Octávio de Moraes, o Tatá do Botafogo, teve a ideia de ocupar as quadras de vôlei próximas ao calçadão, que ficavam vazias após as 13h. Sob os olhares atônitos dos militares, os times formados por Tatá, Luiz Fernando ‘Tananan’, Betão, Gagá, Ayrton, Adylton Brandão e Orlando Pingo de Ouro (Fluminense) disputaram a primeira partida de footvolley ou ‘vôlei de pé’, em tradução livre do inglês. 

Poucos meses depois, surgiu a primeira rede dedicada exclusivamente ao futevôlei, em frente à Rua Constante Ramos. A rede foi comprada com ajuda do jogador do Flamengo Almir Pernambuquinho e por ali passaram muitos craques da bola – na areia e no campo. 

Sérgio Cachorrão, Almir Pernambuquinho, Japona e Sérgio Motorzinho, fundadores da 1º Rede de futevôlei do Mundo, na Constante Ramos – 1968. Site Footvolley4ever

Na década de 1970, o jogo migrou para as redes de Ipanema e ali surgiu uma nova geração de craques: Leivinha, Marcelinho, Claudinho, Ronaldinho, Gugu, Dadica, Berico e muitos outros. “A lenda” Renan, considerado o maior jogador de futevôlei de todos os tempos, é da turma de Copacabana. Ele estreou profissionalmente em 1985, aos 15 anos de idade.

Ayrton e Renan em 1987, já lutando pelo bicampeonato da Copa Itaú. Site Footvolley4ever

Já no segundo torneio profissional de que participou, o time de Renan venceu o mestre, a quem ele se referia como ‘monstro’ do esporte. É o ‘monstro’ que nos conta um pouco da história do futevôlei: 

O jornalista esportivo Luciano do Valle deu um novo impulso à atividade nos anos 1980, ao promover desafios transmitidos ao vivo em rede nacional de televisão. Agora em duplas, jogadores de futevôlei enfrentavam craques do futebol. O programa “Show do Esporte” ia ao ar aos domingos, na Bandeirantes, e durava inacreditáveis dez horas. Foi assim que mais um esporte com DNA carioca chegou a outros estados do Brasil, como Pernambuco e Espírito Santo. 

Os jogadores profissionais de futebol Edinho, Jairzinho, Júnior, Claudio Adão e o argentino Doval eram frequentemente vistos jogando futevôlei nas redes de Ipanema. Nos anos 1990, foi a vez da dupla Renato Gaúcho e Romário se encantar pelo esporte, o que ajudou a ampliar ainda mais seu alcance. Atualmente, o futevôlei é praticado na Itália, Alemanha, Espanha, EUA, etc. 

A popularização do futevôlei no país incluiu também o público feminino. O primeiro Campeonato Brasileiro de Futevôlei Feminino foi realizado em 2006 e, ainda hoje, elas se fazem presentes em torneios e redes mundo afora. 

Este texto foi elaborado com a colaboração de Ayrton Mandarino e do Instituto Footvolley4ever (https://www.footvolley4ever.com.br). 

Skip to content