Fazenda da Taquara

Na Estrada Rodrigues Caldas, em Jacarepaguá, existe uma fazenda que abriga um dos mais antigos engenhos da cidade, o Engenho da Taquara (originalmente “Engenho de Dentro”), mais conhecido como Fazenda da Baronesa. No século XVII, os limites do engenho iam da atual Av. Edgard Werneck, passando pelo largo do Tanque e chegava até o Maciço da Pedra Branca. A fazenda trocou de mãos várias vezes e, por fim, acabou se tornando propriedade da família de Francisco Pinto da Fonseca Telles, o Barão da Taquara. A Capela de Nossa Senhora dos Remédios e Exaltação da Santa Cruz foi construída em 1738, juntando-se à casa sede da fazenda.

A família Telles de Menezes mantinha relações com os Orleans de Bragança e D. Pedro II era padrinho de Francisco Fonseca Telles. O imperador, como agradecimento pelos serviços prestados pelo afilhado na Guerra do Paraguai, nomeou-o Comendador da Ordem da Rosa e, em outubro de 1882, concedeu-lhe o título de Barão da Taquara. Francisco Fonseca Telles foi um dos fundadores do Jockey Club e, também, um grande benfeitor de Jacarepaguá. Doou terrenos para o encanamento dos rios Fortaleza, Ciganos e Olho d`Água, realizou arruamentos, cooperou para a implantação de diversas linhas de bondes e fundou a primeira escola da região. Entre os meses de novembro e dezembro de 1843, durante uma enfermidade que acometeu a princesa Januária, D. Pedro II decidiu se hospedar no Engenho da Taquara para que a princesa pudesse se recuperar e passou a despachar os negócios de Estado de lá. A região, conhecida como Sertão Carioca, era famosa por ser benéfica para o tratamento de doenças devido ao ar puro do local.

Em julho de 1938, a propriedade foi tombada pelo IPHAN e, a pedido dos netos dos Barões, foi criada a APA (Área de Proteção Ambiental) que conta com cerca de 100.000 m² de área preservada com objetivo de proteger o entorno da casa grande e seus anexos. Mesmo tendo sido desmembrada com o decorrer dos anos, a sede da Fazenda e a Capela ainda pertencem as descendentes do Barão da Taquara, responsáveis pela preservação do patrimônio.

Fazenda da Taquara. Fonte: IPatrimônio