No passo do DJ

Funk bom para passinho – DG Fabuloso

A batida do funk ocupa o quintal da casa de Rodrigo Silva, em Pilares, na Zona Norte do Rio de Janeiro, durante a comemoração de seus 16 anos. Seus amigos se agitam numa mistura de funk, soul, dança de rua, frevo e capoeira, enquanto um deles grava a cena com uma câmera digital. No dia seguinte, o vídeo é postado no You Tube. O “Passinho foda” viraliza. Victor, Marquinhos, Rodrigo, Rodolfo, Bruno, Alan e o jeito de dançar que inventaram tornam-se sensação nos bailes. O vídeo inspira outros jovens da cidade e do país, que também gravam e postam nas redes seus “passinhos”.

Foto: Thiago Diniz – batalha do passinho no Morro do Salgueiro – 2013

O Passinho, manifestação cultural nascida no subúrbio do Rio de Janeiro, logo tomou a cidade. Em 2011, foi organizada a primeira Batalha do Passinho — fora da internet, é claro. Gambá, o “Rei do Passinho”, e Cebolinha se enfrentarem na quadra do Sesc Tijuca. Com o tempo, grupos se formaram ao redor da dança. Um daqueles com maior destaque nacional é o Dream Team do Passinho, responsável pelo clipe “Todo mundo aperta o play”, de 2015, que alcançou um milhão de visualizações em poucos dias. Em 2018, foi aprovado projeto de lei que tornou o Passinho Patrimônio Cultural Imaterial do Rio de Janeiro.

Foto: Thiago Diniz – Dançarinos do passinho no Morro do Borel – 2013

A história do Passinho, porém, também tem seus sons tristes. Em 2012, Gualter Damasceno Rocha, o Gambá, desapareceu na noite do réveillon. Uma semana depois sua família descobriu que ele havia sido assassinado e enterrado como indigente.

https://www.youtube.com/watch?v=XCNWK_gErJo
Batalha do Passinho