Estação de Madureira

Autores: Lívia da Silva Lopes Velten, Thamires Vitoria dos Santos e Jefferson Lucas Gomes da Silva.

Introdução

Esse trabalho refere-se ao estudo e registro de um ponto histórico do bairro de Madureira. O objetivo deste trabalho é informar de forma simples e resumida sobre um dos locais mais conhecidos e, ao mesmo tempo, menos conhecidos de Madureira. Apesar de quase ninguém perceber mais, a Estação de Madureira tem uma grande importância na história do bairro.

Um pouco de história

Madureira é um bairro da zona Norte do Rio de Janeiro, sendo ele um bairro muito popular na cidade do Rio, também é conhecido como “Capital do Subúrbio”, “Coração da Zona Norte” e “Berço do Samba”.

Fundado em 24 de Maio de 1613, o bairro é famoso por sediar duas grandes escolas de samba, além de ter o maior mercado popular do Brasil e o terceiro maior parque da cidade (Parque Madureira, que possui uma área de 160 mil metros quadrados).

Ele se destaca por conta de uma amplitude de linhas de ônibus e ramais de trem que levam a diversos bairros do Rio de Janeiro; por sua enorme variedade de estabelecimentos comerciais; e também por sua população, o bairro é composto por pessoas de diversas etnias, a presença e cultura negra é bem marcante na região, há também muitos imigrantes e descendentes, por migrantes vindos principalmente da Região Nordeste do Brasil, além de trabalhadores que vêm de outros bairros, que engrossam a força de trabalho e contribuem para uma parte do produto interno bruto do município.

O comércio do bairro conta com várias lojas, com várias galerias comerciais, com o Madureira Shopping Rio, o Shopping São Luiz e diversas lojas de rua. É um dos maiores polos comerciais do município, atraindo pessoas de diferentes bairros do município em busca de diversos produtos e serviços.

Estação de Madureira

Inaugurada em 15 de junho de 1890 é uma das principais estações ferroviárias do subúrbio carioca, que ligam o bairro não somente aos bairros da Zona Norte, mas também a Zona Central, Zona Oeste, Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo. Até 1890 os trens só iam até Cascadura e voltavam para a estação do Campo de Sant’Anna, numa operação giratória vagão por vagão.

Parte do pátio da estação de Madureira em 1909.Fonte: www.estacoesferroviarias.com.br

Após sua fundação, moradores e comerciantes passaram a usar a estação como uma das principais formas de transporte, compradores vinham de zonas residenciais para o bairro, o que aumentou muito o fluxo de clientes, trazendo mais rendimento para o bairro. Com o aumento de vendas, o bairro começou a crescer ainda mais rápido: quanto mais se lucrava, mais os negócios se expandiam e aumentava a clientela – o que levou ao necessário aprimoramento da estação.

Mas como nem tudo são flores, a estação também foi palco de severas calamidades: descarrilamentos, suicídios, mal funcionamento e outros problemas continuam sendo questões que existem na estação até hoje e, apesar dos esforços das autoridades para reduzir esses problemas, ainda há certos pontos cegos que não conseguiram resolver.

Estação de Madureira – 1954. Fonte: Flickr Caminhos de Cascadura
Homem morre ao cair de trem em Madureira. Fonte: bandnews.com.br

De fato, a estação continua funcionando como um grande apoio ao bairro de Madureira, pois o fluxo de pessoas que ele leva e traz continua se expandindo, com pessoas de vários bairros. Os trens que por ali passam interligam o Centro da cidade com o bairro de Santa Cruz, na Zona Oeste, e com os municípios da Baixada Fluminense, como Belford Roxo e Japeri e com o município de Paracambi.

Mesmo não chamando muita atenção, a Estação de Madureira merece seu devido lugar na história do bairro, pois sem sua presença o bairro não teria o mesmo nível de diversidade que tem hoje, e mesmo não sendo o único meio de transporte, é o que mais teve sua história ignorada. É importante lembrar que a história de um lugar não é só feita das estruturas que a compõem, mas também daquilo que permite a chegada até o lugar em si.

Professora: Fernanda de Moraes

Turma: 1005