Bola de Gude

As bolas de gude estão presentes em vários aspectos da cultura e da história cariocas. Até a década de 1970, a brincadeira rolava em todo o Rio, principalmente nas regiões mais periféricas e nos bairros menos urbanizados. Hoje, são as crianças das zonas Norte e Oeste que mantêm viva a tradição.

Engraxates jogam bola de gude. Facebook O Passado do Rio

Bola de gudepode ser definida como uma pequena bola de vidro maciço, pedra ou metal, normalmente escura, manchada ou intensamente colorida, de tamanho variável, usada em jogos infantis. É conhecida por tantos nomes diferentes que fica até difícil lembrar: berlinde, burquinha, burca, baleba, bila, biloca, bilosca, birosca, bolinha, bolita, boleba, bolega, borroca, bugalho, búraca, búlica, búrica, bute, cabiçulinha, carolo, clica, firo, fubeca, guelas, nica, peca, peteca, pinica, pirosca, mangalho, bolinha, piripiri, xingaua, kamikaze, ximbra e bolíndri. Esquecemos de algum?

Há várias formas de jogar bola de gude, mas o objetivo não muda muito: com um impulso do polegar, atira-se uma bolinha a fim de atingir um alvo marcado previamente (triângulo, buraco, etc.). As jogadas podem ser feitas de perto, de longe, de uma vez só ou aos petelecos e as modalidades com buracos requerem chão de terra – as com desenho de giz podem ser jogadas em chão de pedra ou cimento.

Durante a ditadura civil-militar, estudantes usaram o jogo para se proteger contra a repressão da cavalaria nas passeatas em oposição ao regime. De um lado, cassetetes e chutes de coturno, de outro apenas bolinhas de gude derrubando cavalos.

Os jogos são tão variados quanto os nomes que a bola de gude recebe, mudando de cidade para cidade, de rua para rua, de acordo com a criatividade das crianças, dos adolescentes e mesmo dos adultos. Aqui, vamos falar sobre os três principais, a búlica, o zepê e o triângulo.

Búlica

Jogo de búlica – Gravura de Alcides Oliveira

Para praticar o mais famoso dos jogos de bola de gude é preciso que se cavem na área de terra três covas pequenas e pouco fundas, que são as búlicas (ver figura acima). O número de jogadores pode variar, mas para ficar mais ágil o ideal são cinco. A partida pode ser “à vera”, quando o vencedor leva para casa as bolas de gude dos adversários, ou de brincadeira, no qual o campeão só leva o mérito de ser o melhor. Para começar, os jogadores atiram suas bolas de gude em direção mais afastada. Durante a preparação, quem gritar primeiro “marraioferidor sou rei” será o último a jogar e levará a vantagem de ter mais bolas no campo. Os outros jogadores deverão gritar “segundo”, “terceiro”, “quarto” e o que gritar por último será o primeiro a jogar a bolinha. A partir do segundo, qualquer participante que ferir a bola de outro jogador ganha o direito de iniciar o jogo.

As variações: Zepê e Triângulo

Jogos zepê e triângulo – Gravura de Alcides Oliveira

No zepê, os jogadores definem se será “à vera” ou de brincadeira, depositam os prêmios (bolas de gude ou dinheiro) na figura desenhada no chão e riscam, a uma distância de três metros, uma linha reta na terra. Cada participante joga a sua bola em direção à linha e dá início ao jogo aquele que chegar mais perto. O grito de “marraio feridor sou rei” oferece a mesma vantagem que na búlica, começa quem for o último a ferir a bola de um outro jogador e a brincadeira termina quando todos os objetos do zepê acabarem.

Já o triângulo é uma variação do zepê, com as mesmas regras, mudando apenas a figura onde são colocadas as bolinhas e moedas. Uma versão do jogo foi criada para épocas de chuva, já que a terra molhada dificultava a prática da bola de gude. Os jogadores desenhavam o triângulo na terra e riscavam a linha reta para verificar quem jogaria primeiro, mas as bolas serviam apenas para definir quem começaria o jogo. Os participantes tinham em mãos um espeto de ferro ou de bambu com a ponta afiada e a brincadeira consistia em cravá-lo na terra, andando em direção ao triângulo. Que criatividade!