O Rio e seus contrastes

Os anos 1920 trouxeram mudanças importantes para o Rio, com distinção de funções e usos das diferentes partes da cidade. A Zona Sul, voltada para as atividades de lazer em função da orla marítima, se consolidou a partir do crescimento populacional e do desenvolvimento urbano, produzindo uma paisagem diferente daquela rusticidade própria das orlas de areias brancas e barulho do mar. Partindo da Tijuca, a Zona Norte tomou a direção do trabalho, concentrando as atividades econômicas baseadas na utilização da mão de obra dos setores populares e médios da cidade.

Essa dualidade, entretanto, não significou, de início, uma cidade partida. O novo desenho era fruto não só da geografia da região mas também de projetos urbanísticos. Os bairros de Copacabana e do Méier são bons exemplos para entender essa faceta do Rio.